Ver com o Coração no Mundo dos Negócios pode ser um Diferencial Estratégico

“Sua visão só ficará clara quando você puder examinar seu próprio coração.

Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta” – Carl Jung

Um olhar para o mundo corporativo

Lendo pela enésima vez essa frase sempre atual, novamente meus pensamentos se dirigem ao mundo corporativo. Neste, é de praxe a necessidade em identificar a “Visão do Negócio” para o sucesso do mesmo. Também muito se fala que o sucesso de uma empresa ou de uma carreira é determinado pela “visão” do profissional.

“Profissionais de Visão” são referência e ícones de sucesso em suas carreiras e empresas às quais se vinculam. Cultuamos tais profissionais pela capacidade que tem de “ver” antecipadamente e de “ver” aquilo ainda que não vimos. Como conseguem?

Bem, a primeira frase parece apontar para as relações pessoais e não para o  mundo dos negócios pois menciona a necessidade de se examinar o coração, referindo-se às emoções e à subjetividade.

Ora, no mundo dos negócios a cultura ainda reinante prima pela objetividade e precisão. Prima pelo exame claro e preciso de indicadores e análises racionais e lógicas acerca do cenário “real”. O mundo dos negócios sempre teve a objetividade e “frieza” como premissa.

Contudo a realidade atual tem nos mostrado cada vez mais essa aparente contradição. A primeira frase ao meu ver deve ser entendida de forma mais aprofundada, mais ampla e à luz dos conhecimentos sobre a psicologia humana.

No mundo atual, neste cenário caótico que estamos vivendo, aqueles que puderem se conectar com sua sensibilidade estarão na verdade usando  uma ferramenta indispensável que parece imprecisa, carece de comprovação mas que na verdade tem se revelado como diferencial estratégico.

“Ver com o coração” no mundo dos negócios pode ser traduzido como uma forma sofisticada de sensibilidade que detecta nos detalhes desse mesmo caos sinais que denunciam por um lado incongruências mas por outro revelam oportunidades vistas por quem acaba por tornar-se quase que um especialista, tamanha sensibilidade para perceber as conexões e alinhamentos que une as pessoas e potencializam resultados.

“Olhar para dentro” tende a ser o método, a conduta padrão de pessoas que não tem medo de consultar seus corações à espreita de sinais que se alinham ao sentido e propósito pessoais e que uma vez vindos do coração, portanto cheios de significantes e com contornos mais humanos, uma vez vindo de dentro, cooptam aos colegas e parceiros também ávidos por representações mais significativas.

Logo, “olhando para dentro despertam. Despertam aos outros e traz luz, significado e sentido às ações e projetos. Promovem uma “visão” conectada e integrada. Uma visão clara do que deve ser feito, porque acabam por ver por quem deve ser feito.